modalidades
basquetebol em cadeira de rodas


O Basquetebol em cadeira de rodas começou a ser praticado após a II Guerra Mundial, sobretudo como atividade de reabilitação de pessoas com deficiência motora adquirida durante o conflito.

A modalidade pode ser praticada por ambos os sexos, pessoas com comprometimento das funções motoras, nomeadamente ao nível dos membros inferiores, lesão medular, amputação, sequela de poliomielite e outras disfunções que o impeçam de correr, saltar e pular como um indivíduo sem lesões. Também pode ser praticado por pessoas sem de¬ficiência. Tal como no Basquetebol formal, é jogado por duas equipas de cinco jogadores cada, aplicando-se as regras da Federação Internacional de Basquetebol, conjugadas com as adaptações previstas pela Federação Internacional de Basquetebol em Cadeira de Rodas.

sistema de classificação desportiva


Como os atletas diferem entre si consoante o grau de deficiência, foi criado um sistema de pontos que avalia a funcionalidade do jogador em campo. Este sistema tem como objetivo dar mais oportunidade de prática aos jogadores com menos funcionalidade.

As classes são: 0,5, 1.0, 1.5, 2.0, 2.5, 3.0, 3.5, 4.0, 4.5.

A cada jogador é atribuído um valor de acordo com a funcionalidade de volume de ação nos diversos aspetos do jogo. Aos jogadores com menor funcionalidade são atribuídas pontuações mais baixas.

A soma dos pontos dos cinco elementos de uma equipa em campo não pode ultrapassar os 14 pontos.

Para mais informações:

International Wheelchair Basketball Federation (IWBF)www.iwbf.org